A Soma de Todos os Erros

A esquerda está empenhando todos os seus esforços para reconquistar as ruas. Ruas estas que ficaram vazias devido a leviandade e irresponsabilidade política dos supostos líderes do movimento pró-impeachment que, ou movidos por outros interesses ou por absoluta incapacidade de pensar a ação política em termos estratégicos, não foram capazes de antecipar os possíveis cenários após a aprovação do impeachment nas duas casas do parlamento.

Qualquer que fosse o cenário concebido, era imprescindível que se mantivesse a mobilização que levou milhões de pessoas às ruas, exatamente para assegurar que a vitória representada pela conquista do impeachment fosse assegurada de todas as formas. Mas em vez disso, essas lideranças optaram por esvaziar as mobilizações, havendo até mesmo boicote explícito, como o que foi feito pelo MBL na semana da manifestação de 31 de julho.

O impeachment foi conquistado mas não está assegurado, uma vez que o processo foi judicializado por meio do golpe contra a Constituição Federal praticado pelo Senado. Um golpe aplicado com a anuência do presidente do STF e com a concordância da advogada escolhida pelos partidos para defender a causa do impeachment. A incerteza voltou à cena, uma vez que não se pode antever com segurança que decisão será tomada pela suprema corte ante aos recursos impetrados contra o descumprimento da Constituição por parte dos senadores.

Nesse exato momento, os supostos líderes do movimento pró-impeachment tinham a obrigação de organizar novas manifestações em defesa da legalidade e da Constituição. Mas em vez diz, o que estamos assistindo é uma desmobilização geral, acompanhada pela perplexidade afetada de alguns desses supostos líderes que literalmente não sabem o que fazer, exceto se preocupar com suas medíocres ambições eleitorais. E enquanto isso, a esquerda faz seus exercícios de guerra revolucionária com suas milícias de black blocs, e ensaia a retomada das ruas usando da bandeira das Diretas Já.

O país nunca assistiu a um movimento de massas tão expressivo e tão vigoroso e com as dimensões do movimento pró-impeachment. Mas possivelmente nunca um movimento popular dessa envergadura teve à sua frente pseudo lideranças tão incapazes e inconsequentes, e que jamais estiveram à altura da real dimensão histórica do próprio movimento. Cometeram-se todos os erros que se pode conceber, e nenhum desses pseudo líderes teve sequer a dignidade de reconhecer o quanto erraram.



O Selo Editorial Armada está promovendo a mais arrojada campanha de crowdfunding do mercado editorial brasileiro do momento, destinada ao lançamento de seis títulos nas áreas de política, história e filosofia. O primeiro título será Geopolítica Contemporânea: Desconstrução de Narrativas da Esquerda Globalista, de autoria do editor do Crítica Nacional. Acesse esse link aqui para fazer sua aquisição antecipada com desconto.



 

2 comentários sobre “A Soma de Todos os Erros

  1. As massas que foram às ruas nunca tiveram líderes.Esses “líderes” são líderes de seus próprios movimentos, mas não “das massas”.

    Curtir

Comentário ao artigo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s