A Estratégia Petista de Desestabilização Institucional

Quando o impeachment era apenas uma possibilidade remota no horizonte, a estratégia petista consistia em desqualifica-lo dizendo ser uma tentativa de forçar um imaginário terceiro turno das eleições por parte daqueles que supostamente não aceitaram a derrota eleitoral. Tratava-se obviamente de uma construção fantasiosa que atribuía aos tucanos um tutano político que eles nunca tiveram. Quando o impeachment se tornou uma possibilidade real, o petismo passou a chantagear a sociedade e as instituições, com ameaças de incendiar o país, promover caos social e até mesmo guerra civil, valendo-se de suas milícias de delinquentes disfarçadas de movimentos sociais. Muitos se intimidaram ou ao menos levaram em consideração essas ameaças.

De nossa parte, nunca demos crédito a essas bravatas petistas e sempre afirmamos que elas não passavam de um blefe. Um blefe consistente com a história de blefes do petismo, como mostramos nesse artigo aqui e em outros. Tais ameaças nunca foram reais porque, embora o petismo na sua origem tenha se constituído como um partido de militantes de esquerda nos moldes clássicos, desde sua ascensão ao poder ele perdeu essa característica, se tornando uma agremiação de comunistas, corruptos e arrivistas sem qualquer inserção social real. O que o discurso fantasioso petista apresenta há anos como sua base social supostamente mobilizável não passa de algumas dezenas de milhares de delinquentes e miseráveis arregimentados de ocasião, que se juntam à burocracia de quinto escalão de seus aparelhos sindicais e entidades congêneres.

Esse conjunto disforme de mortadelos e carregadores de bandeira jamais iria nem irá promover caos social na dimensão capaz de reverter uma disputa real de poder, podendo no máximo causar desordem pública e danos a patrimônios em ações de delinquência que são controladas e contidas facilmente pelas polícias militares. Portanto, a promessa petista de reverter a disputa de poder por meio de pressão social nunca passou de um blefe. Ao contrário, quem tem real capacidade de exercer pressão política por meio de mobilização social é o campo antipetista, que levou milhões de pessoas às ruas e foi decisivo para o sucesso do impeachment. O petismo com seus aparelhos milionários colocou no máximo um pouco mais de uma centena de milhares de pessoas nas ruas, pagando um grande número delas para isso.

A bem a verdade, o blefe petista a respeito de provocar caos social serviu não apenas para instigar sua milícias, mas principalmente para ocultar a real estratégia que os petistas adotariam após a aprovação do impeachment, que eles já sabiam que seria aprovado. E essa estratégia está se revelando agora: o petismo está usando de seus prepostos no aparelho de estado, incluindo a Procuradoria Geral da República e instâncias do judiciário, para tentar desestabilizar o novo governo.

E essa tentativa de desestabilização não é para barrar o impeachment e trazer Dilma de volta, pois o próprio petismo sabe que ela não irá governar mais. Mas sim para criar o ambiente necessário para que a crise político institucional se radicalize a ponto de viabilizar uma saída negociada por meio de novas eleições imediatas. E caso prospere a proposta de novas eleições, o que por ora acreditamos ser quase impossível, ela teria grande apelo popular, pois não seria fácil “explicar” às pessoas porque ser contra a realização de eleições.

Estes são alguns dos elementos com os quais o petismo vem agindo e fazendo a guerra política desde a aprovação do impeachment. A aposta do petismo não é e nunca foi na pressão social das ruas, pois ele sabe que não possui força para atuar nessa esfera com densidade política. A aposta petista é na ação institucional, a partir de seus agentes e prepostos no estado e na imprensa. E um trunfo do petismo nesse momento é que ele atua praticamente sozinho nessa esfera institucional da luta política, pois todo o campo antipetista, incluindo a direita conservadora, até agora não exibiu estratégia alguma de ação. E esse mesmo campo também às vezes comete a ingenuidade de cair no jogo que interessa ao petismo, como por exemplo o de aplaudir a tentativa de implodir o núcleo peemedebista, sem perceber que isso agora significa na prática detonar um dos pilares de governabilidade de Michel Temer.


 

4 comentários sobre “A Estratégia Petista de Desestabilização Institucional

  1. Pingback: O Ativismo Judiciário da Corte Bolivariana Brasileira | Crítica Nacional

  2. Pingback: Provável Cassação de Eduardo Cunha: Vitória da Esquerda & Ativismo Judiciário | Crítica Nacional

Comentário ao artigo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s