Não Podemos Subestimar Nossa Vitória

A verdadeira guerra diplomática declarada contra o país pela ditadura socialista cubana e pelas proto-ditaduras bolivariano-socialistas do continente, especialmente a venezuelana, deveria servir de um indicativo da medida do quanto a derrota do projeto de poder do petismo calou fundo em toda a esquerda latino-americana articulada em torno do Foro de São Paulo. Mas em nosso entender, muitos analistas e autores não estão captando ainda a devida dimensão desse fato e, por conseguinte, estão produzindo avaliações que julgamos erradas sobre a natureza do governo Michel Temer e do próprio significado do impeachment.

Em primeiro lugar, como já apontamos aqui, o novo governo não é um governo de direita nem representa a ruptura com o estamento burocrático que domina a vida pública do país desde o advento da república. Em segundo lugar, a despeito disso, o novo governa representa sim a ruptura com um projeto de esquerda específico que estava em curso há treze anos e que levaria o país inevitavelmente a uma venezuelização. Uma ruptura que nunca esteve nos planos petistas e por extensão do próprio Foro de São Paulo.

Essa caracterização é importante para que se tenha claro a real dimensão do impeachment: ele representou uma derrota concreta das estratégias que a esquerda latino-americana vem adotando há décadas no continente. Estratégias essas que incluíam um arranjo geopolítico no qual cabia um papel central e ao mesmo tempo subalterno ao nosso país. O papel de ser o principal financiador dos projetos de poder socialista no continente, enquanto que a liderança política regional ficava a cargo do falecido Hugo Chaves, atuando sob as ordens e supervisão diretas de Cuba.

O impeachment representou a quebra desse arranjo geopolítico e econômico regional. Um arranjo que serviu inclusive para abertura do continente sul-americano à influência russa e para a facilitação do trânsito de terroristas islâmicos e para incrementar os negócios do narcotráfico, o que transformou o Brasil no principal hub do tráfico internacional de drogas. Não foi por coincidência que esse arranjo geopolítico regional começou a se fortalecer há oito anos, quando Barach Obama assumiu a Casa Branca.

Não fossem a conivência e leniência dos EUA nesse período com a expansão de projetos socialistas na região, não teríamos assistido ao paroxismo de uma situação geopolítica na qual o subcontinente latino-americano se transformou por inteiro em zona de influência de uma ilha-prisão governada por uma dinastia ditatorial socialista. E essa leniência e essa conivência foram reafirmadas recentemente na visita de Obama a Cuba.

O impeachment vai ter, e já está tendo, o efeito de desmonte desse arranjo geopolítico regional e trata-se, portanto, de uma vitória que não podemos subestimar. E muito menos podemos enxergar nessa vitória nossa algum ganho estratégico mais sutil por parte do inimigo. O impeachment não representou ganho de qualquer natureza por parte da esquerda, pois não estava em seus planos ser apeada do poder, especialmente em um contexto de rejeição por amplos segmentos da população ao discurso tradicional esquerdista.

O que cabe à direita agora é ser menos reativa, compreender que estamos nesse momento na condição de exercer o protagonismo, de trazermos nossa agenda para o cenário político nacional, para apresentá-la à sociedade, que é conservadora e espera por isso, e para pressionar o novo governo a adotá-la. E exatamente por isso nesse momento resta à esquerda somente espernear, ainda que esse esperneio se dê por meio de uma guerra diplomática. Uma guerra que espelha a dimensão de sua derrota ao mesmo tempo em que mostra sua ausência de opções.


 

10 comentários sobre “Não Podemos Subestimar Nossa Vitória

  1. Perfeita sua análise. Leio muito e mantenho-me sempre informado sobre o máximo de assuntos possíveis, de várias vertentes. Gostaria muito de ter sua desenvoltura e lógica textual. Parabéns!

    Curtir

  2. Estava lendo um blog de um sujeito que é agente disfarçado a serviço dos governos russo e chinês. Chama-se Benjamim Fullford. Ele diz abertamente que o impeachmet no Brasil foi um golpe sionista e que o governo Temer, segundo ele, é formado por criminosos, e que não irá ter estabilidade nem ter longa duração. Eis o que disse: “The Khazarian mafia, desperate for a refuge from the ongoing purge, has temporarily succeeded in overthrowing the popularly elected Brazilian President Dilma Rousseff. The new government of criminals has already set about “privatizing” (looting) large sections of the economy. You can be sure the battle of Brazil is not over and the new kleptocratic government will not be stable or long lasting.”

    Curtir

  3. Pingback: A Direita Ainda Não Entendeu Suas Prioridades | Crítica Nacional

  4. Pingback: Um Problema Elementar de Estratégia Política | Crítica Nacional

  5. Pingback: A Direita e o Céu Estrelado | Crítica Nacional

  6. Pingback: A Direita e o Céu Estrelado – Terça Livre

  7. Pingback: A Ré Dilma Rousseff: Nada de Novo no Front do Senado | Crítica Nacional

  8. Pingback: PT: A Esquerda Que Não Diz Seu Nome e Esconde Sua Sigla e Suas Cores | Crítica Nacional

  9. Pingback: O Projeto Socialista e Criminoso de Poder Chegou Ao Fim | Crítica Nacional

  10. Pingback: Provável Cassação de Eduardo Cunha: Vitória da Esquerda & Ativismo Judiciário | Crítica Nacional

Comentário ao artigo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s