Muçulmanos Matam Cristãos nas Celebrações da Páscoa

022

O Domingo de Páscoa foi de tragédia para os cristãos da cidade de Lahore, no estado do Punjab, no Paquistão. Um atentado terrorista muçulmano dizimou com as vidas de mais de cinquenta pessoas, em sua maioria mulheres e crianças, deixando ainda dezenas de feridos graves. A explosão, causada por um terrorista muçulmano suicida segundo as investigações, ocorreu logo no domingo pela manhã numa área de estacionamento da localidade de Gulshan-e-Iqbal, anexa ao local onde iria ser feita uma celebração de Páscoa. A autoria do atentado foi assumida horas mais tarde pelo Taliban, que afirmou que o alvo do ataque era de fato os cristãos de Lahore.

Segundo Jam Sajjad Hussain, chefe da equipe de resgaste, o número de mortos foi elevado por que o local estava tomado por famílias que se dirigiam à celebração pascal, daí o grande número de mulheres e crianças entre as vítimas. Inicialmente as equipes de resgaste contabilizaram cerca de dez mortos. Mas devido à violência da explosão, que se estima ter sido provocada por no mínimo cinco quilogramas de explosivos, a gravidade dos ferimentos provocados fez aumentar o número de mortes, o que foi confirmado posteriormente pelo jornal paquistanês Dawn, que anunciou exatas cinquenta e três vítimas fatais.
A guerra do islã contra os cristãos prossegue sem tréguas em todos os cantos do planeta, fazendo dos cristãos o grupo religioso mais perseguido do mundo hoje, principalmente nos países muçulmanos, e de maneira particularmente cruel e genocida no continente africano. Estima-se que mais de cem mil cristãos são assassinados anualmente no mundo inteiro pelo simples fato de serem cristãos. A quase totalidade desses crimes são cometidos por muçulmanos: seja por meio de atentados terroristas, ataques seguidos de matanças e escravização pura e simples de populações civis cristãs na África, como as praticadas pelo Boko Haram, ou por meio de execuções baseadas na sharia nos regimes teocráticos muçulmanos, muitos deles aliados a governos de esquerda do mundo ocidental.
Enquanto essa perseguição se dá a olhos vistos em todos os cantos do mundo, o chefe da Igreja Católica Mario Bergoglio, alinhado com a agenda globalista da esquerda e não com sua missão sacerdotal, faz questão de ignorar solenemente essa realidade. Em suas declarações, ele insiste em dizer que os muçulmanos e cristãos crêem no mesmo Deus e por isso são irmãos. Afirma também que os atentados terroristas islâmicos são resultado de uma violência cega, quando na verdade a cegueira política está nos olhos e na mente no cardeal que exerce a função de Sumo Pontífice, como mostramos nesse artigo aqui.
Uma cegueira que o leva a beijar os pés de supostos refugiados muçulmanos na Missa de Lava Pés da quinta-feira passada, sem se preocupar em lavar e beijar os pés de algum sobrevivente das milhares de famílias cristãs que foram mortas por esses próprios muçulmanos a quem Mario Bergoglio está muito mais preocupado em proteger e defender do que os integrantes de sua Igreja.
(com conteúdo de jihadwatch.org)

000 Anuncio Template


O Jornal Crítica Nacional depende somente de seus leitores para se manter
Colabore e clique aqui para fazer uma assinatura de contribuição para o jornal

9 comentários sobre “Muçulmanos Matam Cristãos nas Celebrações da Páscoa

    • Para se ser filho de Abraão é preciso ser-se seguidor do Senhor Jesus Cristo, aceitando-O como o Filho de Deus que morreu pelos nossos pecados.

      Curtir

  1. Caro Paulo, sua matéria vai na contra-mão do bom senso. Não seja generalista nos seus comentários, confundindo algum praticante de uma religião que comete uma barbárie com todas as pessoas que seguem a mesma religião. É muito claro que a parte não representa o todo. Já há muita discórdia e incompreensão no mundo para que você coloque publicamente um texto com muito pouca profundidade, com fontes de terceiros e sem referência, e que no visão global só alimenta o revanchismo. Não colabore com quem comete esses crimes ao enaltecer a disputa que eles patrocinam.
    Um abraço

    Curtir

    • Obrigado pelo comentario Jose, mas voce está profundamente errado. Voce conhece o alcorao? Conhece os hadiths e as sunas? Entende a dimensao politica do islã? Fontes de terceira?? Voce conhece a Fundaçao David Horowitz, que edita as publicaçoes que uso, sendo algumas delas eram as preferenciais de Ronald Reagen? Conhece o Center for Studies on Political Islam, de Bill Warner? Ja ouviu falar de DebkaFiles? Seguramente nao. O que é de terceira sao fontes como NY Times ou CNN ou Washington Post.

      Continue acompanhando blog que em breve trarei mais e mais materiais fundamentados a respeito, e espero lhe convencer de sua profunda ingenuidade a respeito do que se passa de fato no mundo.

      Curtir

    • Oi Paulo, fontes DE terceirOs, não foi uma questão de desqualificação da fonte e sim que mencionar as fontes é extremamente importante ao fundamentar um argumento. Utilizar-se das fontes favoritas de um posicionamento político extremamente conservador e autoritário como Ronald Reagan não faz seu artigo mais imparcial.

      Independente disso, este não foi o ponto principal do comentário. A questão central é a sua tomada da todo pela parte, generalizando o comportamento de grupos específicos a todos os muçulmanos, que de fato não é verdade. Aliás, o Alcorão prega como princípio básico a preservação da vida.

      PS: O intuito do comentário é o alerta a essas generalizações, e para ter essa percepção, não se faz necessário eruditismo.

      Curtir

  2. Os mulçumanos estão se proliferando no mundo e com isso, levam em sua cultura a guerra e destruição! A maioria dos atentados que ocorrem no mundo são causados comprovadamente por este tipo de gente que se dizem religiosos! Não é cabível defender uma cultura desumana como esta, e como hoje em dia falam tanto da intolerância religiosa, porque as autoridades não enxergam essa atitude como uma intolerância? Afinal matar alguém por ser cristão não é considerado intolerância religiosa? Acho que as autoridades permitem este acontecimento, pois é um meio de manter o equilíbrio da taxa populacional, faz parte dos planos governamentais, se não fosse isso o sacerdote não teria tal atitude visto que a massa populacional se concentra no catolicismo, e este nunca defendeu o cristianismo.

    Curtir

Comentário ao artigo:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s